Publicado em Repost

Biblioteca para pessoas com deficiência visual

Publicado originalmente na revista Vida Simples 

A Fundação Dorina Nowill para Cegos acaba de lançar uma biblioteca digital para pessoas com deficiência visual, a Dorinateca. O mais bacana desse projeto é que qualquer um pode ter acesso ao acervo online, cujos livros estão em formato falado ou DAISY, que permite uma grande ampliação das letras e inclui áudio e recursos que facilitam a navegação como marcações e soletração.

Os títulos também estão disponíveis para download e impressão em braille no site da instituição, protegidos por um finger print (sistema que protege os arquivos contra a pirataria). Até o final deste ano, o acervo deve contar com mais de 4.400 títulos (literatura nacional, estrangeira e infanto-juvenil e best-sellers) em formatos acessíveis. O projeto tem patrocínio da empresa farmacêutica Sanofi.

Dorinateca – www.dorinateca.org.br

_____________________________________________________________________________________________

Anúncios

Minha Prosa Poética #7

 

229284_144373072373861_834223678_n
Foto de Marcos Mantovanelli – 11/03/2013.

Essa foto representa fidedignamente meu olhar sobre o mundo, a vida e as pessoas.

Continuar lendo “Minha Prosa Poética #7”

Publicado em Mural, Páginas da Lua, Reflexão

RE-FLEXÃO|| Saiba conversar…

Eu li essa matéria no blog da revista Vida Simples e quão maravilhosa experiência foi investir alguns minutos do meu tempo para degustar da sapiência empírica!

LEIA!! 

separador_pluma

Nem sempre as palavras trocadas são doces ou afáveis. O terreno que precisamos cruzar pode ser duro, frio e difícil e totalmente fora da nossa zona de conforto. | <i>Crédito: Getty Images

Escuta, atenção e curiosidade são os principais ingredientes de uma boa conversa, que melhora a vida, as relações e abre nossos olhos para o mundo

Viviane Zandonadi

“No último outono, por causa de um trabalho, instalei em meu telefone o aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp. Antes de descobrir as configurações que tinham mais a ver comigo – adotar o status invisível, bloquear notificações sonoras –, caí na vertiginosa profusão de recados, fotos e vídeos vindos não sei de onde. Parecia imperativo estar sempre disponível à conversa. “Calma. É para facilitar a vida…”, disseram. Devagar e divagando, eu ainda me perguntava se aquela relação com o suposto facilitador de comunicação duraria até o inverno. Acho que não é para mim. Parei o carro em um sinal fechado e desejei que Paulinho da Viola surgisse para cantar uma das conversas mais lindas da música brasileira: Olá, como vai?/ Eu vou indo e você, tudo bem?/Tudo bem, eu vou indo, correndo pegar meu lugar no futuro, e você?/ Tudo bem, eu vou indo em busca de um sono tranquilo, quem sabe?/Quanto tempo…/Pois é, quanto tempo… Mas não. O que aconteceu foi que o WhatsApp fez tremer o celular. Aceitei. O mapa do GPS desapareceu e em seu lugar veio uma lista de kkks e hihihis. Nenhum “oi, tudo bem?” ou “pode falar?”. Ninguém bateu palma no meu portão ou, se bateu, a mensagem foi soterrada pelas outras. O sinal abriu e jamais soube onde começaram aqueles gracejos abreviados. Eles falavam comigo, mas não diziam nada. E, ainda pensando em Paulinho da Viola, segui com a melodia: Tanta coisa que eu tinha a dizer, mas eu sumi na poeira das ruas/Eu também tenho algo a dizer, mas me foge a lembrança…  “

(…) leia na íntegra acessando o link a seguir

>>  Vida Simples – Saiba Conversar <<

 

“Quando eu era menino, o que mais gostava nos livros era nossa imaginação de criança completar o que eles nos contavam, nas entrelinhas”, disse o cineasta alemão Wim Wenders, no documentário Janela da Alma. “Quando comecei a ver filmes, eu também queria ler nas entrelinhas e naquele tempo isso era possível, você podia ler entre as imagens. Em um filme de John Ford, por exemplo, havia espaço entre as tomadas. Atualmente, na maioria dos filmes, não há mais espaço para a gente inserir os sonhos.” Espaço para inserir os sonhos. Desejo que suas conversas tenham essa abertura. Sim, pois falam, escrevem e calam as pessoas. Conversam conosco, cada qual a seu modo, os livros, os filmes, as canções. Em todas as narrativas, porém, é maravilhoso transitar nas entrelinhas. Sabemos bater papo? E sonhar nas entrelinhas?  “

separador_pluma