Publicado em Amigos na Poesia

Uma Lágrima Para Mim por Ângella Ventura

Li esse texto incrível da querida amiga e escritora em ascensão, Ângella Ventura, nas redes sociais e decidi compartilhar com vocês porque vem carregado de muitíssimo sentimento ❤ e reflexão, tão propícios ao tempo em que vivemos!

Boa leitura!

A dor na lágrima imensamente pesada que deixei cair na madrugada passada, escorreu pela minha face tão aquecida de tristeza, que esfolou o canto do meu olho esquerdo.

Hoje durante todo o dia, despercebida do machucado, com os meus afazeres, toquei sem querer o local indesejado, várias vezes, aumentando a vermelhidão na pele.

Houve um tempo em que as frases findavam-se com um “Para sempre“.

Para sempre” é um lugar muito longe, eu me perderia pelo caminho e nunca chegaria até lá.

Dizem que não devemos sofrer por alguém. Concordo. Não sofremos pelo outro. Sofremos por nós mesmos. É o direito de findar alguns amores sem a despedida formal.

Eu escrevi mil histórias sobre o final desse meu amor. E nós nunca ficamos juntos, eu sei.

Ele poderia ter sido apenas um grande herói, mas escolheu sair da minha vida pela porta dos fundos feito um covarde.

Nos meus contos, o amor se perdia pelos anos de ausência, pela distância das almas no cotidiano da vida, na preguiça de querer bem, mas nunca no enlace do corpo querido com outro corpo desconhecido recém chegado, sem um aceno de adeus.

Eu sabia que ia doer…

Mas eu não sabia que doeria tanto assim.

Segredos partilhados se perdem agora nas milhares de mensagens que eu apagarei do celular, um dia, deixando sobrar espaço no armazenamento para os novos amores que virão. Relendo uma a uma para afirmar que ele não valeu à pena.

Eu não gosto de algumas palavras, e “última” é uma delas. Essa foi a última vez que as minhas palavras falaram dele. Ele abandonou a minha poesia à mercê do vento forte, com a força maior, do seu sopro de vaidade.

Ele foi uma longa história, cujo final, em português coloquial, eu nunca escreverei…”

Ângella Ventura
é aspirante a escritora e croupier num clube de poker em São Paulo.

*Imagem em destaque: Summer Evening, óleo sobre tela, de Frederick Childe Hassam, 1886.

Anúncios

Autor:

Poetisa da vida, leitora por vontade, ferroviária por destino, rabiscadora de cadernos, apaixonada por livros. Colorindo a vida e os amigos com amor <3 - Jundiaí - SP - Brasil ! #leiamais #livros

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s